Cabo Polonio – Uruguai 🇺🇾

Cabo Polonio

Como vocês podem acompanhar nos posts anteriores, programei a road trip pelo Uruguai e inclui nela vários pontos turísticos que pesquisei na internet mas durante a viagem um deles me surpreendeu muito e acabei querendo falar somente dele aqui.

Cabo Polonio superou minhas expectativas. Inicialmente eu pensei que fosse apenas um lugar a mais pra passar e seguir adiante. Depois pensei até em não ir lá dado a alguns amigos que fizeram o mesmo passeio e não foram.

Como estava na programação, resolvi ir e foi uma excelente experiência. Já adianto que vale muito a pena reservar no mínimo um dia para visitar Cabo Polonio. Para aqueles que são mais aventureiros, uma noite por lá é bem vinda e explico porquê ser aventureiro mais à frente. 

Cabo Polonio é um parque e fica a 98 km do Chuí, mais ou menos 1h 20 min de carro. Depois de Pelotas me hospedei em La Paloma por que tinha pesquisado Cabo Polonio e só tinha achado Hostel mas confesso que entre o hotel que fiquei em La Paloma e algum lugar em Cabo Polonio, dava no mesmo ou Polonio até ganhava.

Como chegar em Cabo Polonio

De carro siga pela rota 9 (o Google Maps é ótimo, nem se estresse) até a entrada do Parque. Lá tem estacionamento ao custo de 190 Pesos Uruguaio que você paga na saída. Quando fui o peso Uruguaio valia aproximadamente 1 para 8, ou seja, 1 real = 8 pesos Uruguaios. 

Chegando lá dirija-se ao guichê para comprar a entrada. Custa 250 pesos uruguaios por pessoa. Você receberá um ticket com duas partes, uma é para embarcar na jardineira na ida e outra na volta. Não perca!

Visitando as praias de Cabo Polonio

Após uns 30 minutos sacolejando na jardineira apertadinha você chega a um lugar muito lindo que é a ponta do Cabo Polonio. Por lá é tudo no estilo hippie, pequenas casas de madeira colorida, um monte de hostel e varias pessoas vendendo miçangas.


O transporte para as praias de cabo Polonio

Os horários das Jardineiras são fixos. Na dúvida visitem este site e vejam o melhor horário para chegar e sair e evite perder tempo de passeio. Eu mesmo esperei uns 25 minutos que poderia estar andando ou fotografando ainda.

A água da praia é gelada mas dependendo da época que for, tipo indo no verão, da pra tomar banho tranquilo. Existe uma praia maior por onde a jardineira passa, uma outra praticamente inabitada e a principal onde ficam os restaurantes e pousadas.

Se você é daqueles que gosta de ficar na praia pegando sol e curtindo um relax, sugiro levar guarda sol e canga, pois lá não tem. Sugiro também levar mantimentos porque as cosias são muito caras. Se gosta de uma cervejinha, prepara R$ 25,00 para uma Corona pequena.

Não deixem de assistir os vídeos no YouTube

As praias são boas e mansas. Não há ondas gigantescas e nem é funda tipo aquelas praias que você entra e cai em um abismo. Pode aproveitar bastante a beira da água principalmente se for com criança. Recomendo muito protetor solar também, lembrando que não há muita estrutura nessas praias.

Praia de Cabo Polonio

Onde se hospedar em Cabo Polonio

Eu pesquisei bastante e encontrei muito Hostel. Desses vocês encontrarão vários mas fiquem sabendo que como a maconha lá é liberada e o estilo é hippie total, talvez não seja seu estilo e não seja legal ficar lá. Há também a possibilidade de alugar uma das casinhas que tem por lá.

Quando estava andando pela praia encontrei uma pousada que parecia super bacana. O nome é Pousada Carmela. Não fiquei hospedado lá mas com certeza ficaria se fosse ter uma noite em Cabo Polonio. Veja a foto da entrada abaixo.

Pousada Carmela - Cabo Polonio - Uruguai

Onde comer

Existem vários pequenos restaurantes pelas vielas da praça central. Não se espante com o estilo dos restaurantes, eles são tipo casinhas pequenas mas é o estilo. Não espere nada grandioso mas é tudo bem bacana. É interessante andar um pouco antes de escolher.

Eu vi algumas indicações na internet mas acabei almoçando em um em frente a praia mesmo. O valor é caro se compararmos com o local mas tudo no Uruguai é caro. Paguei R$ 70,00 em um peixe que estava muito bom. Existem também alguns restaurantes das pousadas que são acessíveis aos visitantes.

O farol

Outro lugar legal para conhecer em Cabo Polonio é o farol. É em volta do Farol que vocês conseguem ver os leões marinho. Existem muitos naquela área mas eles ficam um pouco distantes. Quem tiver uma máquina fotográfica com lente para captar imagens mais distantes terá excelentes fotos.

O Farol possui 27 metros de altura e foi construído em 1881. É possível subir no Farol ao custo bem pequenininho mas não sei porque motivo, quando fui ele estava fechado. Funciona das 08 as 13 e depois das 15 até o pôr do sol, pelo menos deveria né.

Em Cabo Polonio há internet e o telefone funciona perfeitamente. Pode usar cartão de crédito tranquilo. A bandeira mais utilizada é Visa mas de qualquer maneira não deixe de levar dinheiro. Eles aceitam reais e dólar também e a conversão varia muito de estabelecimento para estabelecimento.

Paguei o ingresso em reais e o câmbio foi de 1 real para 7,5 pesos uruguaios, foi muito baixo então sugiro fazer câmbio e pagar em pesos uruguaios mesmo. Só para ter uma ideia eu almocei em um lugar super bacana que será um outro post e o câmbio foi de 1 real para 8,5 pesos uruguaios. Eles não aceitam pagamento em cartão para entrar no Parque.

Mais informações vocês encontram no site oficial de Cabo Polonio neste endereço: https://www.portaldelcabo.com.uy/pt

Nos vemos por ai…

Não vá a Chichén Itzá de excursão

Um dos pontos turísticos praticamente obrigatórios para todo turista no México é o sítio arqueológico em Chichén Itzá. Trata-se de uma cidade pré-colombiana construída pelos maias no final do período clássico. 

Chichén Itzá tem uma intrigante história do povo Maia e ruínas legais para visitar. Seu ponto principal é a pirâmide central onde você encontrará muitas histórias sobre ela. Também tem muita explicação sobre a cultura Maia e se você pretende comprar souvenires, deixe pra comprar lá, pois há centenas de barracas lá dentro e assim pode barganhar melhor o preço.

Visitando Chichén Itzá

Como Cancun não precisa de carro pra ficar se deslocando, não reservamos carro e no dia de ir à Chichén Itzá resolvemos pegar uma excursão. Como tínhamos 7 dias em Cancún, decidimos que faríamos um passeio de lá e assim ganhar tempo quando estivéssemos em Riviera Maya. 

Nosso pensamento foi errado. Primeiramente pensamos ir para o parque Xcaret ou Xplor mas como ficava apenas 25 minutos do hotel em Riviera Maya, resolvemos ir à Chichén Itzá e assim não teríamos que dirigir pra longe, uma vez que a pirâmide fica a 200 km da Costa.

A ideia era não ter que dirigir pra longe e até pagar mais barato já que economizaríamos duas diárias de carro e até um pouco com combustível.  Compramos então uma excursão por apenas US$50 para duas pessoas com almoço incluído.

O passeio passaria por Valladolid, pelo Cenote Saamal, depois teria um almoço e mais lojinhas para compras e por fim, Chichén Itzá. Confesso que foi barato mas no fim, o barato saiu demorado. 

O dia começou 05:50 quando acordamos para tomar banho, nos preparar e tomar um cafezinho antes de sermos buscados as 07:10 pela agência de viagens.  Após sermos apanhados, passamos em mais dois hotéis até chegar em uma central da agência de viagens.  Lá tinha um café da manhã beeeeem simples e ainda tinha que pagar, como havíamos tomado um cafezinho, não utilizamos o serviço. 

Valladolid e Cenote

Os Cenotes são cavidades naturais encontradas no México principalmente na região de Iucatan. Também encontramos bastante na região da Riviera Maya e Playa Del Carmem. Estima-se milhares de Cenotes no México.

Cenotes México
DCIM\100GOPRO\GOPR0905.JPG

Já falei em demora aqui né?! Então, aqui foi a primeira demora. Ficamos sentados e, uma sala de espera das 07:37 até às 08:10. Logo após fomos para o ônibus que saiu 08:40. Pegamos a estrada e no meio do caminho tivemos que parar por 20 minutos para esperar alguém que acho que perdeu a excursão e alguém foi atrás de carro pra interceptar o ônibus e entregar os atrasados. 

Pois bem, falando em atraso, fomos para Vallladolid chegando lá as 10:25 onde ficamos por 25 minutos até seguir para o próximo evento que era o Cenote. Já no Cenote, tivemos 01:30 para desfrutar da beleza natural e tomar banho nas águas azuis entre peixinhos te beliscando. O lugar tem um boa estrutura e o tempo foi suficiente para tomar banho e tirar algumas fotos. 

Veja também como planejar uma viagem para o México

Cenotes México

Partimos do Cenote as 13:40 e até então nada de almoço. Seguimos então para o local onde seria o almoço, no entanto antes disso teríamos que passar por um ritual Maya, passar pela lojinha é só então adentrar a área de almoço. Para se ter uma ideia, me servi para almoçar as 15:20. Lembra que acordei às 05:50 e só tomei um cafezinho?

O almoço não era ruim mas também não tinha nada de especial. Era salada, tacos, nachos, purê de batatas, macarrão, feijão, arroz e frango. Tinha algumas frutas também como laranja, tangerina, abacaxi e melancia. Já de sobremesa era arroz doce e doce de abóbora. Pois bem, lembra que a excursão era pra Chichen Itza? Já era 16:00 e ainda não tínhamos saído do local onde almoçamos. 

Enfim, Chichén Itzá

Chegamos finalmente em Chichén Itzá as 16:20 sendo que o parque fecharia as 17:30 (acertei os horários, pois lá é uma hora a menos então o local fecha as 16:30). Ao chegar foi aquela correria para o guia pegar os ingressos e distribuir. A partir de então tínhamos aproximadamente uma hora para visitar Chichén Itzá. 

Para melhor tudo, começou aquela chuva fina que molha pouco e atrapalha tudo. As diversa barraquinhas que tem dentro da área da pirâmide já estavam indo embora. O guia explicava as coisas bem rápido e após alguns minutos, funcionários do Parque começaram a fechar caminho e a convidar os turistas a se retirarem. 

Chichen Itza México

Saímos do Parque e fomos para o ônibus que só partiu de volta para o setor hoteleiro as 18:20. Chegamos ao hotel as 21:20 completamente cansados, com fome e sem ter aproveitado completamente as atrações que estavam previstas. Resumindo, não pegaremos mais excursões assim e tão pouco recomendamos que alguém vá. 

Pontos negativos de ir de excursão. 

  • Demora muito pra se deslocar. No nosso caso, se tivéssemos acordado as 07:00 e saído de carro as 08:30, chegaríamos antes da excursão. 
  • Passa por lugares que muitas das vezes não te interessa ir. Te leva em lojas onde eles têm convênio e perturbam pra comprar souvenires. 
  • A atração principal ficou por último, ou seja, você já tá com fome novamente, cansado e então chega na atração principal sem muita paciência. 
  • No caso de excursões que oferecem almoço, você so almoça na hora que eles programarem, fora isso, fica com fome ou come lanche que você levar. 

Conclusão

Não aconselho ninguém a ir de excursão para Chichén Itzá a não ser que esteja disposto a passar por tudo isso. Vi que outras excursões almoçaram no próprio Cenote, onde tem um belo restaurante mas não da pra saber exatamente qual empresa almoça lá ou não. 

Para visitar o Parque, sugiro ir de carro mesmo. Saia do hotel (Cancun) as 08:00 e as 09:30 já estará por lá. Visite tudo o que quiser e depois na volta visite um ou dois Cenote dentre os diversos que existem por lá. O horário entre 11 e 13 horas é muito bom porque a luz do sol ilumina mais ao fundo e a água fica muito mais azul. 

Se tivéssemos ido de carro, teríamos saído mais tarde, aproveitado mais, almoçado a hora que queríamos e retornado mais cedo. Mas como tudo na vida é um aprendizado, fica este aqui para que vocês não caiam na mesma bobagem.  É vivendo e aprendendo. 

Nos vemos por aí…

O que fazer em Pirenópolis

Pirenópolis é uma cidade no interior do Goiás, próximo à Goiânia e à Anápolis, que abriga uma beleza natural peculiar do cerrado no centro oeste do país bem como belíssimas cachoeiras e rios. 

Com uma população de pouco mais de 22 mil habitantes, Pirenópolis é um município histórico com ruas de calçamento de pedrinhas, edificações no estilo antigo, sotaque bem interiorano e um acolhimento bem peculiar do pessoal do interior. Para quem conhece Parati no Rio de Janeiro ou Ouro Preto em Minas Gerais, Pirenópolis é mais uma versão de cidade no mesmo estilo.

Pirenópolis, Goias
Ruas de Pirenópolis 

A principal economia é o turismo recebendo pessoas de varias lugares. As maneiras de se chegar à cidade podem ser partindo de Goiânia onde tem aeroporto e dista 120km com aproximadamente 2h de duração ou de Brasília que dista 150 km com aproximadamente 2h30min de carro.

É muito comum ver grupos de motociclistas irem para passar o fim de semana uma vez que as estradas são boas, quase não chove na região e é um passeio muito agradável.

Vejam também um passeio por Gramado no Rio Grande do Sul 

Cachoeiras de Pirenópolis

Com uma rápida pesquisa na internet podemos ver que há pelo menos 15 cachoeiras espalhadas pela charmosa cidade. Os hotéis são em menor número e tudo tem aquele aspecto de pousada bem no estilo caseiro.

Além das cachoeiras, Pirenópolis também possui mais de 100 córregos, 20 ribeirões, 9 rios 25 serras e 15 morros. Números aproximados retirados em pesquisas na internet mas o moradores de lá garantem até ter mais.

Quando fui saí de Anápolis então não fiquei hospedado por lá mas visitei duas cachoeiras diferentes. A primeira foi a Cachoeira do Rosário onde você pode passar o dia desfrutando da natureza descansando.

A outra foi a Cachoeira do Abade que também possui excelente estrutura para ficar o dia inteiro além de ter uma trilha um pouco maior do que a do Rosário com mirantes espalhado ao longo do caminho onde a parada é obrigatória para apreciar o visual.

Cachoeira do Rosário 

cachoeira do rosário em Pirenópolis, goias
cachoeira do Rosário 

Fica a 100 km de Anápolis e 160km de Goiânia. Para chegar lá pega-se uma rodovia BR e depois mais 17 km de estrada de terra. Atenção, a estrada de terra tem trechos difíceis de transpor, no entanto mesmo os carros pequenos é possível chegar lá com um pouco de paciência. Eu mesmo estava em um Fiat Uno.

É necessário fazer reserva antecipada no site www.cachoeiradorosario.com.br, pois a capacidade é de apenas 70 pessoas na estrutura. O valor do ingresso é de R$ 45,00 sem almoço ou R$ 90,00 com almoço à vontade incluído além de petiscos como torresmos e lascas de batata e mandioca fritos. A comida é feita em fogão à lenha.

Fogão a lenha
A comida vai ficar pronta já já!

A estrutura tem um excelente banheiro, um restaurante e uma área verde com bastante rede espalhada para poder descansar a vontade seja antes ou após uma Cachoeira. A trilha possui extensão de aproximadamente 1400 metros, toda calçada por pedras ou madeira.

O caminho passa por um pequeno mirante, uma piscina natural, pela cachoeira Encantada sendo a  última a maior de todas a Cachoeira do Rosário.

piscinas naturais, Pirenópolis

Por tras da cachoeira do Rosário tem um santuário de Pedras. Além de poder ver por trás da queda d’água, ainda pode ver vários totens e uma estatueta. É um lugar ideal para quem gosta de meditar.

cachoeira do rosário

O ideal é chegar cedo, aproveitar a natureza, almoçar e descansar um pouco nas redes para no fim da tarde pegar a estrada e volta bem tranquilo e relaxado. Lembro também que não pega sinal de celular mas no restaurante eles têm um Wi-Fi que permite se comunicar pelos aplicativos de comunicação como WhatsApp.

Vejam também uma viagem à Ilha de Malta

Lugar para descansar na cachoeira do rosário em Pirenópolis
Área de descanso com redes

O lugar também é de fácil acesso para crianças e idosos. 

Cacheira do Abade

cachoeira do abade em Pirenópolis
A recepção está pronta para recebê-lo

A Cachoeira do Abade fica a 80 km e 1h30min de carro partindo de Anápolis e 140km e 2h44min de carro partindo de Goiânia. Pega-se a GO-338 e BR-414 para chegar até lá e depois mais uns 17km de estrada de chão. A capacidade que o local comporta é bem mais que 70 pessoas por ter varias cachoeiras e uma trilha de 2,4 km.

O ingresso custa R$ 30,00 para ir direto à Cachoeira principal pela trilha do Abade de aproximadamente 500 metros ou R$ 40,00 para fazer a trilha do Vale de 2,4km passando por 6 mirantes com destaque para um mirante de 80 metros de altura com vista panorâmica, piscinas naturais e 4 cachoeiras. Vale muito a pena fazer o caminho maior e aproveitar tudo o que o local oferece.

mirante
Um dos vários mirantes disponíveis durante a trilha

A trilha é toda calçada com pedras e os mirantes todos têm bancos para sentar e uma área com excelente estrutura para tirar fotos e apreciar o visual. Como já citei, o caminho é todo calçado não exigindo esforço nenhum para percorrê-lo. 

trilhas em Pirenópolis

O visual do cerrado é peculiar e tem uma beleza singular que impressiona em sua grandeza. Quando fui não levei o drone mas para quem tem, aconselho fortemente levar e fazer excelentes imagens.

Logo na primeira piscina natural pude perceber o quanto legal seria todo o passeio. A piscina natural da foto abaixo tem uma profundidade de aproximadamente mais de 2 metros dentro da pedra. As pessoas saltam para dentro dela nesse pequeno espaço sem problema nenhum.

Seguindo mais um pouco e após alguns mirantes, chega-se a uma piscina natural com uma pequena Cachoeira chamada de Cachoeira do Sossego que provém de outras pequenas queda de água formando um visual muito bonito. É um excelente local para passar algumas horas tomando banho, recebendo massagem da queda d’água e tirando fotos. Atenção para a água gelada.

cachoeira do sossego, Pirenópolis Goiás

Continuando o passeio há uma ponte de madeira e correntes de aproximadamente 80 metros bem interessante. Liga um ponto a outro por cima das quedas d’água e só pode passar dois por vez por segurança. É um excelente lugar para tirar fotos, abuse do seu tempo por lá e aproveite.

Mais à frente existe mais uma Cachoeira com outra piscina natural muito boa, porem o sol não bate tanto por lá o que torna menos atrativa. Para aqueles que querem ficar isolados meditando, está é a melhor Cachoeira. 

ponte sobre rio em Pirenópolis

Por fim, chega-se à Cachoeira principal chamada de Abade. Está é maior de todas daquela área possuindo uma faixa de areia e uma imensa piscina natural. Comporta facilmente mais de 40 pessoas ao mesmo tempo. A queda d’água cai direto sem interrupções de pedras o que faz ter uma força enorme e caso queira aquela massagem da Cachoeira, é bom tomar cuidado.

Também é um lugar propício para família podendo levar crianças e idosos para aproveitar o passeio. Leve água para beber no caminho, pois o calor é intenso e você não vai achar bebedouros. Claro que o passeio pode ser acelerado e chegar ao restaurante no caso de sentir sede ou fome mas o ideal é aproveitar o máximo cada pedacinho que o local oferece. 

cachoeira do abade Pirenópolis Goiás

No fim também há um restaurante e redes para descansar. A comida é paga à parte do ingresso e pode ser paga com cartão de credito. A entrada deve ser paga em dinheiro. Aproveite o dia e no fim do passeio descanse para pegar a estrada de retorno. 

Conclusão

A cidade de Pirenópolis fica na região do cerrado no centro oeste e oferece varias atrações e o chame como qualquer cidade histórica mas também uma ecoaventura por trilhas e cachoeiras. É um excelente lugar para passar um final de semana ou parte das férias. Tem excelente estrutura na maioria das cachoeiras e trilhas sendo possível levar crianças e idosos sem sacrifício.

Os valores de hospedagem e alimentação não são altos podendo realizar refeições por menos de R$ 20,00 em self services.

Já visitou Pirenópolis e suas cachoeiras? Tem algo a acrescentar e ajudar aos que ainda vão visitar a cidade e procuram o que fazer? Deixe seus comentários abaixo.

Tem muito mais fotos no Instagram, acompanhe por lá as novidades!

Nos vemos por aí…

Um domingo em Geribá, Búzios no Rio de Janeiro

Partiu com Grilão para um belo domingo na praia de Geribá em Búzios?

Praia de Geribá em Búzios
Praia de Geribá em Búzios

Geribá, Búzios, Região dos Lagos, Rio de Janeiro, já conhecem?

Provavelmente todo mundo já ouviu falar da beleza que é Búzios na Região dos Lagos no Rio de Janeiro, pelo menos pela televisão. A cidade, juntamente com outras como Cabo Frio, Arraial do Cabo, Saquarema, Rio das Ostras, São Pedro da Aldeia e outras, faz parte de uma linda região no Rio de Janeiro chamado Região dos Lagos.

Para quem já conhece pode dar o relato do que acha de cada lugar e para quem ainda não conhece, aproveite para ver as fotos na página e os videos do canal no youtube e programe uma ida para conferir de perto as belezas dessas praias. Neste post vou mostrar apenas um pouco de Búzios por meio de uma praia super famosa e muito boa pra passar o dia, a praia de Geribá!

Onde fica Geribá?

Olhando no Google Maps fica fácil ver que Geribá é uma praia extensa e ainda na entrada da Cidade. Como podem ver, o círculo, apesar de estar escrito “Praia da Ferradura” ali é Geribá. Praia da Ferradura é outra praia que fica próxima e o Google acabou marcando mais do que Geribá quando olhando o mapa daquele ângulo.

Mapa de Búzios
Mapa de Búzios

Reparem que a seta vermelha indica o centro onde fica a Rua das Pedras e a Orla Brigitte Bardot mas deixarei para falar deles em outros posts.

Vejam também Um domingo em Búzios com imagens feita com drone

O que fazer em Geribá?

Geribá é uma praia que considero de nível médio para família. Chamo de nível médio uma praia em que vocês pode ter sossego, podem mergulhar, a temperatura não é tão baixa, as ondas são moderadas e tem espaço para as crianças brincarem a vontade e também tomar banho. Algumas praias são de difíceis acesso e não permitem que crianças entrem na água.

Praia de Geribá em Búzios no Rio de Janeiro
Praia de Geribá

Por lá vocês podem alugar cadeiras e guarda sol ou levar o próprio. Há um restaurante lounge muito bom chamado FishBone, para aqueles que gostam de música eletrônica tipo House e Deep, não deixe de conferir.

Existem muitas outras praias próximas à Geribá e com mais tempo farei outras imagens e posts sobre elas, por enquanto vão aproveitando as imagens que fiz em um domingo de sol juntamente com o video no canal do Youtube.

Há também a possibilidade de surf, kitesurf, SUP, passeios em bóias e muito mais, ou seja, diversão não falta para uns dias em Geribá. Confiram no vídeo abaixo.

Vejam um pouquinho dos países que já visitei

Onde se hospedar em Búzios?

Para quem tem alguns dias de férias e quer aproveitar bastante a Cidade, sugiro hospedarem-se  próximo a uma praia, uma vez que provavelmente ficarão aproveitando mais a praia do que o centro da cidade, sendo assim pelas ruas próximas à Geribá vocês encontram excelente hotéis e pousadas.

Carro só será necessário para ir ao centro e outras praias, pois as hospedagens em Geribá são tão perto que não tem como ir de carro, até mesmo porque dependendo da época não vai encontrar onde estacionar.

E você, já conhece Búzios? Conhece Geribá? Dê-nos sua opinião sobre o lugar.

Nos vemos por aí….

O Salto do Yucumã

Fala galera Viajante!

Esses dias dei um pulo em um lugar no Rio Grande do Sul muito bacana para passar o dia, chama-se Salto do Yucumã na cidade de Derrubadas.

Vamos situar melhor o Salto do Yucumã

O Salto fica situado no Parque Estadual do Turvo no caminho entre as cidades do interior do RS como Palmitinho e Tenente Portela. A rodovia é simples, porém com um asfalto muito bom sem buracos. Fica aproximadamente a 500km de Porto Alegre-RS e 200km de Chapecó-SC.

Captura de Tela 2018-03-02 às 15.22.49.png

Captura de Tela 2018-03-02 às 15.28.36.png

O Salto faz divisa com a Argentina mas de lá não é possível visitar os “hermanos” a não ser que vocês pulem na água e depois escalem o Salto (mini cachoeira). Pela Argentina ele é chamado de Salto do Moconá que pra eles significa “o que tudo engole”. É considerado o maior salto longitudinal da terra com aproximadamente 1800 metros de extensão.

Salto 1.jpeg

Em épocas de pouca chuva é possível ver o Salto com seus quase 7 metros de altura. Se forem em época de chuvas a água sobe e cobre muita coisa.  Como podem ver nas fotos, ainda há uma grande extensão de rochas antes de chegar ao rio.

Gosta de cachoeiras e natureza? Então não deixe de ver o post sobre os Canyons de Santa Catarina!

Pode-se fazer um passeio de barco no rio, bem dentro do Salto sentindo a brisa da cachoeira longitudinal mas somente pela Argentina. A partir de Derrubadas não é possível fazer, pois não há estrutura.

IMG_4764.PNG

Como chegar

Captura de Tela 2018-03-02 às 15.27.03.png

Para chegar ao Salto propriamente dito, é necessário pagar R$ 16,00 por pessoa ao chegar no Parque Estadual do Turvo bem ali escondido no mato.

Na sede do Parque vocês podem encontrar banheiros, um pequeno museu e informações sobre o Parque e o Salto. Há também uma trilha de 1300 metros de fácil acesso.

 

 

Atenção: Não há exatamente nada para comprar no Parque então levem comida para o piquenique, caso contrário passarão fome e sede. Atentem também que não é permitido bebida alcoólica sendo todos os carros revistados na entrada do Parque. Respeitem as regras!

Resultado de imagem para proibido bebida alcoolica

Após pagarem as entradas e serem revistados, receberão a informação que a estrada para chegar ao Salto é de aproximadamente 15km de estrada de chão e que a velocidade não pode ultrapassar 30km/h (também nem sei como alguns loucos passam desta velocidade por lá).

Na entrada vocês receberão um controle em papel com a hora que iniciou o deslocamento e, chegando à área de estacionamento do Salto, outro funcionário irá anotar a hora que chegou por lá. Na saída tem que fazer a mesma coisa. É bem organizado.

Chegando à área de estacionamento, acomodem-se, ambientem-se e curtam bastante. É uma grande área com banheiros, mesas, torneira com água, churrasqueiras e vocês podem fazer um belo piquenique em meio à natureza. As pessoas costumam ir bem cedo para garantirem os melhores lugares e ficam até após o almoço. Há também outra trilha de 1300 metros.

Salto do Yucumã
Área de estacionamento e piquenique

Salto do Yucumã
Trilha de 1300 metros

Da área de estacionamento até a beira do Salto dista de 400 metros por uma trilha bem tranquila de se fazer.

Aproveitem e vejam aqui o que fazer em NY

Uma vez no Salto, aproveitem para tirar fotos à vontade, fazer filmagens e se divertirem. Se tiver um drone, levem baterias extras, pois o local é muito bonito e é permitido voar por lá sem problemas. Respeitem as regras e façam o cadastro e a solicitação no SARPAS. Ah! Ainda não fiz um post sobre drones, farei em breve.

Consegui voar com meu Mavic Pro até as pontas do Salto, lancei ele a 800 metros para a esquerda e mais 500 à direita. As imagens ficaram incríveis, confiram no pequeno vídeo abaixo.

Gostou de imagens feitas por drones, confira mais no YouTube!

1520040490391.JPEG

O que levar?

Em primeiro lugar não esqueçam de carregar bem os gadgets como máquina fotográfica, filmadora, drones, caixa de som ou qualquer outro que usem em viagens. Para os músicos, o local é perfeito para um violão com a galera cantando.

Por ser um local de difícil acesso e não ter estrutura de vendas, levem tudo o que precisarem, como estarão de carro, não será problema. É realmente um dia para fazer um piquenique. Levem toda a comida que puderem comer mas não deixem nenhuma sujeira por lá.

Salto do Yucumã
Área para piqueniques

Importante levar protetor solar, pois lá no salto não há sombras. Cadeirinhas, toalhas, sacos de lixo e repelente também são itens essenciais.

O que acharam do lugar? Já visitaram? Tem vontade de visitar? Deixe nos comentários suas opiniões.

Vejo vocês por ai…