O que fazer em Pirenópolis

Pirenópolis é uma cidade no interior do Goiás, próximo à Goiânia e à Anápolis, que abriga uma beleza natural peculiar do cerrado no centro oeste do país bem como belíssimas cachoeiras e rios.

Com uma população de pouco mais de 22 mil habitantes, Pirenópolis é um município histórico com ruas de calçamento de pedrinhas, edificações no estilo antigo, sotaque bem interiorano e um acolhimento bem peculiar do pessoal do interior. Para quem conhece Parati no Rio de Janeiro ou Ouro Preto em Minas Gerais, Pirenópolis é mais uma versão de cidade no mesmo estilo.

Pirenópolis, Goias
Ruas de Pirenópolis

A principal economia é o turismo recebendo pessoas de varias lugares. As maneiras de se chegar à cidade podem ser partindo de Goiânia onde tem aeroporto e dista 120km com aproximadamente 2h de duração ou de Brasília que dista 150 km com aproximadamente 2h30min de carro.

É muito comum ver grupos de motociclistas irem para passar o fim de semana uma vez que as estradas são boas, quase não chove na região e é um passeio muito agradável.

Vejam também um passeio por Gramado no Rio Grande do Sul 

Cachoeiras de Pirenópolis

Com uma rápida pesquisa na internet podemos ver que há pelo menos 15 cachoeiras espalhadas pela charmosa cidade. Os hotéis são em menor número e tudo tem aquele aspecto de pousada bem no estilo caseiro.

Além das cachoeiras, Pirenópolis também possui mais de 100 córregos, 20 ribeirões, 9 rios 25 serras e 15 morros. Números aproximados retirados em pesquisas na internet mas o moradores de lá garantem até ter mais.

Quando fui saí de Anápolis então não fiquei hospedado por lá mas visitei duas cachoeiras diferentes. A primeira foi a Cachoeira do Rosário onde você pode passar o dia desfrutando da natureza descansando.

A outra foi a Cachoeira do Abade que também possui excelente estrutura para ficar o dia inteiro além de ter uma trilha um pouco maior do que a do Rosário com mirantes espalhado ao longo do caminho onde a parada é obrigatória para apreciar o visual.

Cachoeira do Rosário

cachoeira do rosário em Pirenópolis, goias
cachoeira do Rosário

Fica a 100 km de Anápolis e 160km de Goiânia. Para chegar lá pega-se uma rodovia BR e depois mais 17 km de estrada de terra. Atenção, a estrada de terra tem trechos difíceis de transpor, no entanto mesmo os carros pequenos é possível chegar lá com um pouco de paciência. Eu mesmo estava em um Fiat Uno.

É necessário fazer reserva antecipada no site www.cachoeiradorosario.com.br, pois a capacidade é de apenas 70 pessoas na estrutura. O valor do ingresso é de R$ 45,00 sem almoço ou R$ 90,00 com almoço à vontade incluído além de petiscos como torresmos e lascas de batata e mandioca fritos. A comida é feita em fogão à lenha.

Fogão a lenha
A comida vai ficar pronta já já!

A estrutura tem um excelente banheiro, um restaurante e uma área verde com bastante rede espalhada para poder descansar a vontade seja antes ou após uma Cachoeira. A trilha possui extensão de aproximadamente 1400 metros, toda calçada por pedras ou madeira.

O caminho passa por um pequeno mirante, uma piscina natural, pela cachoeira Encantada sendo a  última a maior de todas a Cachoeira do Rosário.

piscinas naturais, Pirenópolis

Por tras da cachoeira do Rosário tem um santuário de Pedras. Além de poder ver por trás da queda d’água, ainda pode ver vários totens e uma estatueta. É um lugar ideal para quem gosta de meditar.

cachoeira do rosário

O ideal é chegar cedo, aproveitar a natureza, almoçar e descansar um pouco nas redes para no fim da tarde pegar a estrada e volta bem tranquilo e relaxado. Lembro também que não pega sinal de celular mas no restaurante eles têm um Wi-Fi que permite se comunicar pelos aplicativos de comunicação como WhatsApp.

Vejam também uma viagem à Ilha de Malta

Lugar para descansar na cachoeira do rosário em Pirenópolis
Área de descanso com redes

O lugar também é de fácil acesso para crianças e idosos.

Cacheira do Abade

cachoeira do abade em Pirenópolis
A recepção está pronta para recebê-lo

A Cachoeira do Abade fica a 80 km e 1h30min de carro partindo de Anápolis e 140km e 2h44min de carro partindo de Goiânia. Pega-se a GO-338 e BR-414 para chegar até lá e depois mais uns 17km de estrada de chão. A capacidade que o local comporta é bem mais que 70 pessoas por ter varias cachoeiras e uma trilha de 2,4 km.

O ingresso custa R$ 30,00 para ir direto à Cachoeira principal pela trilha do Abade de aproximadamente 500 metros ou R$ 40,00 para fazer a trilha do Vale de 2,4km passando por 6 mirantes com destaque para um mirante de 80 metros de altura com vista panorâmica, piscinas naturais e 4 cachoeiras. Vale muito a pena fazer o caminho maior e aproveitar tudo o que o local oferece.

mirante
Um dos vários mirantes disponíveis durante a trilha

A trilha é toda calçada com pedras e os mirantes todos têm bancos para sentar e uma área com excelente estrutura para tirar fotos e apreciar o visual. Como já citei, o caminho é todo calçado não exigindo esforço nenhum para percorrê-lo.

trilhas em Pirenópolis

O visual do cerrado é peculiar e tem uma beleza singular que impressiona em sua grandeza. Quando fui não levei o drone mas para quem tem, aconselho fortemente levar e fazer excelentes imagens.

Logo na primeira piscina natural pude perceber o quanto legal seria todo o passeio. A piscina natural da foto abaixo tem uma profundidade de aproximadamente mais de 2 metros dentro da pedra. As pessoas saltam para dentro dela nesse pequeno espaço sem problema nenhum.

Seguindo mais um pouco e após alguns mirantes, chega-se a uma piscina natural com uma pequena Cachoeira chamada de Cachoeira do Sossego que provém de outras pequenas queda de água formando um visual muito bonito. É um excelente local para passar algumas horas tomando banho, recebendo massagem da queda d’água e tirando fotos. Atenção para a água gelada.

cachoeira do sossego, Pirenópolis Goiás

Continuando o passeio há uma ponte de madeira e correntes de aproximadamente 80 metros bem interessante. Liga um ponto a outro por cima das quedas d’água e só pode passar dois por vez por segurança. É um excelente lugar para tirar fotos, abuse do seu tempo por lá e aproveite.

Mais à frente existe mais uma Cachoeira com outra piscina natural muito boa, porem o sol não bate tanto por lá o que torna menos atrativa. Para aqueles que querem ficar isolados meditando, está é a melhor Cachoeira.

ponte sobre rio em Pirenópolis

Por fim, chega-se à Cachoeira principal chamada de Abade. Está é maior de todas daquela área possuindo uma faixa de areia e uma imensa piscina natural. Comporta facilmente mais de 40 pessoas ao mesmo tempo. A queda d’água cai direto sem interrupções de pedras o que faz ter uma força enorme e caso queira aquela massagem da Cachoeira, é bom tomar cuidado.

Também é um lugar propício para família podendo levar crianças e idosos para aproveitar o passeio. Leve água para beber no caminho, pois o calor é intenso e você não vai achar bebedouros. Claro que o passeio pode ser acelerado e chegar ao restaurante no caso de sentir sede ou fome mas o ideal é aproveitar o máximo cada pedacinho que o local oferece.

cachoeira do abade Pirenópolis Goiás

No fim também há um restaurante e redes para descansar. A comida é paga à parte do ingresso e pode ser paga com cartão de credito. A entrada deve ser paga em dinheiro. Aproveite o dia e no fim do passeio descanse para pegar a estrada de retorno.

Conclusão

A cidade de Pirenópolis fica na região do cerrado no centro oeste e oferece varias atrações e o chame como qualquer cidade histórica mas também uma ecoaventura por trilhas e cachoeiras. É um excelente lugar para passar um final de semana ou parte das férias. Tem excelente estrutura na maioria das cachoeiras e trilhas sendo possível levar crianças e idosos sem sacrifício.

Os valores de hospedagem e alimentação não são altos podendo realizar refeições por menos de R$ 20,00 em self services.

Já visitou Pirenópolis e suas cachoeiras? Tem algo a acrescentar e ajudar aos que ainda vão visitar a cidade e procuram o que fazer? Deixe seus comentários abaixo.

Tem muito mais fotos no Instagram, acompanhe por lá as novidades!

Nos vemos por aí…

O Salto do Yucumã

Fala galera Viajante!

Esses dias dei um pulo em um lugar no Rio Grande do Sul muito bacana para passar o dia, chama-se Salto do Yucumã na cidade de Derrubadas.

Vamos situar melhor o Salto do Yucumã

O Salto fica situado no Parque Estadual do Turvo no caminho entre as cidades do interior do RS como Palmitinho e Tenente Portela. A rodovia é simples, porém com um asfalto muito bom sem buracos. Fica aproximadamente a 500km de Porto Alegre-RS e 200km de Chapecó-SC.

Captura de Tela 2018-03-02 às 15.22.49.png

Captura de Tela 2018-03-02 às 15.28.36.png

O Salto faz divisa com a Argentina mas de lá não é possível visitar os “hermanos” a não ser que vocês pulem na água e depois escalem o Salto (mini cachoeira). Pela Argentina ele é chamado de Salto do Moconá que pra eles significa “o que tudo engole”. É considerado o maior salto longitudinal da terra com aproximadamente 1800 metros de extensão.

Salto 1.jpeg

Em épocas de pouca chuva é possível ver o Salto com seus quase 7 metros de altura. Se forem em época de chuvas a água sobe e cobre muita coisa.  Como podem ver nas fotos, ainda há uma grande extensão de rochas antes de chegar ao rio.

Gosta de cachoeiras e natureza? Então não deixe de ver o post sobre os Canyons de Santa Catarina!

Pode-se fazer um passeio de barco no rio, bem dentro do Salto sentindo a brisa da cachoeira longitudinal mas somente pela Argentina. A partir de Derrubadas não é possível fazer, pois não há estrutura.

IMG_4764.PNG

Como chegar

Captura de Tela 2018-03-02 às 15.27.03.png

Para chegar ao Salto propriamente dito, é necessário pagar R$ 16,00 por pessoa ao chegar no Parque Estadual do Turvo bem ali escondido no mato.

Na sede do Parque vocês podem encontrar banheiros, um pequeno museu e informações sobre o Parque e o Salto. Há também uma trilha de 1300 metros de fácil acesso.

 

 

Atenção: Não há exatamente nada para comprar no Parque então levem comida para o piquenique, caso contrário passarão fome e sede. Atentem também que não é permitido bebida alcoólica sendo todos os carros revistados na entrada do Parque. Respeitem as regras!

Resultado de imagem para proibido bebida alcoolica

Após pagarem as entradas e serem revistados, receberão a informação que a estrada para chegar ao Salto é de aproximadamente 15km de estrada de chão e que a velocidade não pode ultrapassar 30km/h (também nem sei como alguns loucos passam desta velocidade por lá).

Na entrada vocês receberão um controle em papel com a hora que iniciou o deslocamento e, chegando à área de estacionamento do Salto, outro funcionário irá anotar a hora que chegou por lá. Na saída tem que fazer a mesma coisa. É bem organizado.

Chegando à área de estacionamento, acomodem-se, ambientem-se e curtam bastante. É uma grande área com banheiros, mesas, torneira com água, churrasqueiras e vocês podem fazer um belo piquenique em meio à natureza. As pessoas costumam ir bem cedo para garantirem os melhores lugares e ficam até após o almoço. Há também outra trilha de 1300 metros.

Salto do Yucumã
Área de estacionamento e piquenique

Salto do Yucumã
Trilha de 1300 metros

Da área de estacionamento até a beira do Salto dista de 400 metros por uma trilha bem tranquila de se fazer.

Aproveitem e vejam aqui o que fazer em NY

Uma vez no Salto, aproveitem para tirar fotos à vontade, fazer filmagens e se divertirem. Se tiver um drone, levem baterias extras, pois o local é muito bonito e é permitido voar por lá sem problemas. Respeitem as regras e façam o cadastro e a solicitação no SARPAS. Ah! Ainda não fiz um post sobre drones, farei em breve.

Consegui voar com meu Mavic Pro até as pontas do Salto, lancei ele a 800 metros para a esquerda e mais 500 à direita. As imagens ficaram incríveis, confiram no pequeno vídeo abaixo.

Gostou de imagens feitas por drones, confira mais no YouTube!

1520040490391.JPEG

O que levar?

Em primeiro lugar não esqueçam de carregar bem os gadgets como máquina fotográfica, filmadora, drones, caixa de som ou qualquer outro que usem em viagens. Para os músicos, o local é perfeito para um violão com a galera cantando.

Por ser um local de difícil acesso e não ter estrutura de vendas, levem tudo o que precisarem, como estarão de carro, não será problema. É realmente um dia para fazer um piquenique. Levem toda a comida que puderem comer mas não deixem nenhuma sujeira por lá.

Salto do Yucumã
Área para piqueniques

Importante levar protetor solar, pois lá no salto não há sombras. Cadeirinhas, toalhas, sacos de lixo e repelente também são itens essenciais.

O que acharam do lugar? Já visitaram? Tem vontade de visitar? Deixe nos comentários suas opiniões.

Vejo vocês por ai…